Umwelt - O mundo subjetivo da percepção dos organismos vivos.


Bem, resolvi hoje escrever sobre uma obra que li recentemente e gostei muito, Umwelt de Daisuke Igarashi, que, embora seja uma one-shot e tenha apenas 64 páginas eu poderia escrever um tratado sobre ela! Merecendo portanto uma postagem somente para Umwelt. Embora a sinopse possa parecer simples, o número de camadas da obra é bastante grande, levando a ter inúmeros assuntos a serem aprofundados. Em síntese, Umwelt é a história de uma menina geneticamente modificada que escapa de seu lar e o doutor que a criou a busca com a ajuda de força militar. Mas é muito mais do que aparenta ser.


Não tenho problemas em falar que Daisuke Igarashi é um dos meus mangakas favoritos, pena que não é tão prolífico e algumas das suas obras não terem tradução do japonês nem por intermédio de scanlators. Se algum de vocês lembrarem, ou não, eu já fiz duas postagens sobre ele, do estupendo Witches e do mangá Little Forest e provavelmente haverão mais. 

Daisuke Igarashi possui uma arte bastante singular, seus traços são mais leves que o habitual e foge da normalidade, lembrando mais esboços repletos de detalhes, sua arte é de uma singeleza comovente. Embora não seja muito popular no ocidente, suas obras já ganharam prêmios importantes da indústria do mangá, sendo bastante reconhecido pela crítica especializada.

Os temas que Daisuke Igarashi aborda também refletem a singeleza de seus traços, focado em trabalhos repletos de fantasia, surrealismo e espiritualidade, abarcando motivos extraídos da natureza e do folclore de uma forma tão natural que chega a parecer real. 

Desta forma, Daisuke, sai dos conceitos banais de fantasia e entra numa esfera que mistura folclore com surrealidade de uma forma que lembra em muito os filmes de Hayao Myasaki em seu memorável Estúdio Ghibli. Tanto é que o próprio Daisuke Igarashi afirmou em uma entrevista que o filme Meu Amigo Totoro o inspirou a se tornar um mangaka. E de fato, se vê muito de Ghibli em Daisuke Igarashi, como a forma como ele trata os temas sobrenaturais, os quais parecem realmente fazer parte da realidade dada a maneira que seus protagonistas encaram o sobrenatural e dos constantes questionamentos e subtextos que as obras proporcionam.



Se bem que em Umwelt, one-shot publicada em abril deste ano na revista Afternoon, Daisuke Igarashi foge um pouco da sobrenaturalidade e entra no campo da ficção científica, mais precisamente da engenharia genética, embora não fuja tanto assim, pois a relação dada entre os efeitos gerados pelas descobertas científicas e a repercussão que elas tem tanto na moral estabelecida como no psicológico dos personagens surte o mesmo efeito que o autor emprega quanto a relação natural/sobrenatural costumeira em suas obras.

Já na primeira página da obra temos uma citação do físico e matemático inglês Freeman Dyson que é notável pelas suas especulações acerca da origem da vida, ao indicar origens diversas para o metabolismo e reprodução. A Citação, em tradução livre seria assim:

"Haverá sempre um lugar para os rebeldes e bandidos em algum lugar deste vasto universo. Eles vão embarcar em uma viagem para a fronteira, buscando um lugar onde eles estarão livres para conduzir experimentos para, radicalmente, criar novos seres humanos. Os que vão nos superar no campo das capacidades mentais, assim como superamos os macacos."




Tal citação casa bem com a proposta da história, citação esta profética se levar conta as possibilidades do ser humano em desbravar o universo e buscar novas tecnologias, mas as teorias deste físico serão importantes e abordadas na obra. Contudo, creio que Daisuke quis apontar também ao colocar tal citação em sua obra é indicar que tais revoluções no campo da genética surgem por intermédio de rebeldes, visto que atualmente é impossível por um impedimento legal conduzir experimentos com manipulação genética dos seres humanos, mesmo que todos nós sabemos que já há tecnologia suficiente para clonar um ser humano ou o modificar geneticamente, a título de exemplo.

O que impede tais modificações é a moral estabelecida pela nossa sociedade, visto que os cientistas, por vezes, em sua busca por descobertas não dão a mínima para qualquer preceito ético, apenas a sede pelo conhecimento os guia. Isto transforma a ciência em uma faca de dois gumes, visto que por vezes é possível que seja descoberto ou criado algo magnífico, mas que ponha em risco a humanidade ou que pelo menos vá fazer mal a um grupo de pessoas ou mesmo a uma única pessoa ou animal que seria usado como cobaia ou alvo de tal tecnologia ou ainda cause uma alguma degradação da natureza. 


A bioética é um campo da ética que afirma ser necessário que a ciência progrida em prol da humanidade e do meio ambiente, na busca pela melhoria da qualidade de vida, sendo uma mistura de ciências biológicas, filosofia e direito. A bioética também afirma que é necessário que as autoridades competentes intervenham quando a ciência caminhar fora deste parâmetro, direcionando-se apenas para a satisfação pessoal do cientista ou de grupos econômicos. Mas é bem possível que já haja humanos geneticamente modificados ou clones entre nós, fora das regulações legais.

Mas, retornando ao mangá, outro ponto interessante desta obra em si é a abordagem científica, o autor disponibilizou várias explicações acerca de conhecimentos científicos de uma maneira bastante didática. Por exemplo, as teorias de Freeman Dyson acerca de criar vida em cometas, a sensibilidade dos animais, como eles podem sentir sentimentos através da pele e da capacidade cognitiva dos animais e dos seres humanos.

Mas do que realmente trata a obra? De uma maneira resumida e sem dar spoilers, quais seriam as implicações naturais de uma criatura geneticamente modificada, inteligente que escapasse do laboratório e começasse a viver no mundo em que todos conhecemos? Como reagiria com as outras formas de vida? Como se alimentaria? O que sentiria? Como se relacionaria com os humanos que poderia encontrar e como os humanos reagiriam com ela?



O título do mangá, Umwelt, de certa forma resume o próprio mangá. O que seria Umwelt? Umwelt é um termo criado pelo biólogo e filósofo estoniano Jacob Johann Von Uexkull, que nasceu em 1864. A noção de Umwelt é o que tem de mais notável em seus trabalhos, que seria um "mundo" a parte de cada organismo vivo, onde estariam relacionadas suas percepções, seria portanto, o mundo subjetivo de cada ser vivo. Afirmava que cada ser vivo, por possuir seu mundo subjetivo de interações próprias deveria ser entendido no seu habitat, na sua totalidade.

Daisuke Igarashi utiliza o exemplo do Umwelt do cachorro, que seria o mundo dele próprio que englobaria todas as suas percepções, por exemplo, a coleira que ele usava, de que material que foi feito, quais substâncias químicas utilizadas para fazê-la, dos sentimentos de seus donos, da ração que comeu, do lugar em que dormiu, etc, etc. A exposição que ele dá acerca do umwelt é bastante elucidativa e não deixa a desejar a nenhum livro de ciências! E por sinal, Umwelt em alemão significa ambiente. 

Assim sendo, tal obra gira em torno do Umwelt do ser geneticamente modificado apresentado na obra, mas isto se dá de duas formas diferentes, primeiramente nas partes de busca do ser modificado, por parte da equipe militar e de seu criador, o doutor Okuda, onde estão presentes as explanações científicas e a outra parte é a vivência pessoal da criatura. Só que entre este esqueleto da história há a presença de diversas indagações acerca de problemas de bioética. A história tem um desfecho primoroso, muito reflexivo! Ou melhor dizendo, a história em si se fechou da forma devida, começo, meio e fim, embora eu gostasse que fosse maior! Com mais capítulos e outras discussões, ou que aprofundasse os temas apresentados. Mas, mesmo assim, é uma one-shot a ser classificada como uma das melhores do gênero.




Agora poderá haver alguns spoilers, pois eu quero tratar de algumas coisas observadas dentro da obra. Estejam avisados!

Como já relatado acima, as discussões e momentos reflexivos desta pequena obra giram em torno de problemas de bioética, primeiramente, no caso central, a criação do sapo humanóide que seria utilizado numa tentativa futura de povoar o espaço, por estar mais habilitado em suas condições físicas para suportar as condições siderais. Isto de modificar as formas de vida para suportar a vida no espaço é um elemento bastante presente em obras de ficção científica, como mais recentemente podemos citar Suisei no Gargantia. Este tipo de experimento com a vida gera diversas discussões éticas. Tais criaturas são seres humanos? Outra forma de vida similar aos humanos? Possuem os mesmo direitos dos humanos? Etc. Estes questionamentos estão longe de serem elucidados.

Outro ponto bastante interessante é o uso de uma eletrolaringe, ou laringe eletrônica pelo chefe da força militar privada que comandava as buscas pela criatura. Para quem não sabe, aquele objeto proporciona para quem não possui mais cordas vocais a capacidade de emitir sons que possam ser ouvidos por outras pessoas. É um bom exemplo de como a ciência é utilizada para melhorar a condição humana. Contudo, ficou até engraçado devido a presença de uma fina ironia quando o utilizador da laringe eletrônica perguntou se a criatura possuía inteligência baixa pelo fato de não conseguir falar, sendo que ele mesmo sem o aparelho não poderia se comunicar.

Outra discussão científica moderna muito importante que ocorreu em uma página foi quando o chefe da força militar perguntou quando a empresa em que Okuda trabalha comprou tal força militar particular e para que uma empresa de agrotecnologia iria querer tal coisa.

Ocorre que isto já ocorreu na vida real de certa forma! Como no caso da Monsanto a maior empresa do ramo da biotecnologia e pioneira na criação e venda de organismos geneticamente modificados, a qual mantém o monopólio destas tecnologias em nível mundial e utiliza os serviços privados de mercenários, um verdadeiro exército particular, ao utilizar os serviços da Academi, a antiga BlackWater, a empresa de mercenários mais conhecida dos EUA (nos EUA é possível a existência de empresas de mercenários). Tal força militar é utilizada para a proteção de executivos em países como Iraque e Afeganistão, bem como na proteção de suas instalações.

Okuda também mencionou que a tecnologia de engenharia genética seria desenvolvida para propiciar a vida no espaço, mas como isso irá demorar, até mesmo para os padrões do mangá, é muito lucrativo e muito mais fácil converter tais tecnologias em armas e comercializá-las, estando ai um ponto negativo da extrema comercialização de tecnologias que ocorre atualmente. Okuda ainda deixa dito que a empresa não está somente satisfeita com o monopólio da produção de alimentos em nível mundial, mas também em outras áreas como a militar, que também é muito lucrativa e propicia conjuntamente com o domínio alimentar certa forma de dominar o mundo.

A ciência quando está vinculada com grandes empresas se torna de certa forma negativa, visto que tais empresas por buscarem lucro deixam de lado o que é melhor para o ser humano, ou quando descobrem a cura de uma doença, por exemplo, vendem os remédios muito caros, ou apenas omitem a existência da cura para que os pacientes tenham a necessidade de sempre estar comprando novos remédios apenas paliativos. Muitos cientistas quando descobrem podres das grandes empresas ou formas alternativas e baratas para algum produto caro que gere muito lucro são perseguidos e difamados.

No ramo da agrotecnologia ocorre o mesmo, as grandes empresas detém quase toda a produção mundial de sementes por patenteá-las, obrigando os agricultores a comprar sementes geneticamente modificadas muito vezes inseguras por não terem sido feitos testes adequados e que podem causar desastres ambientais irreversíveis. 

Quanto ao tema apresentado no mangá, a respeito do monopólio das indústrias agroquímicas, recomendo o documentário O Mundo Segundo a Monsanto, no qual, de forma bem explicativa demonstra os métodos que a empresa utilizou e utiliza para manter e expandir o monopólio da produção de alimentos.

Por fim, outro ponto de destaque é a relação entre a criatura e Okuda. Okuda o cientista que a criou demonstra aquele sentimento característico do cientista quando faz uma descoberta incrível, mas mesmo assim nutre para com a criatura certo sentimento paterno e vibra quando ela consegue desenvolver alguma habilidade ou aprender algo novo.

Spoilers terminados!!!

Umwelt resta mais do que recomendado para todos aqueles que gostam de uma leitura que é mais que uma leitura, que desperta no leitor perguntas e força à reflexão acerca dos temas abordados! Embora seja uma estória curta possui muito conteúdo, com diversos temas e assuntos abordados de forma muito eficiente por Daisuke Igarashi.

Finalizando, agradeço a todos aqueles que por ventura lerem esta postagem, bem como a todos aqueles que eventualmente acompanham meu blog.


Comentários

Postagens mais visitadas