terça-feira, 29 de dezembro de 2015

2001+5. E a Odisseia do Espaço Continua.



Um retorno aos clássicos de ficção científica com 2001+5, seguindo estilo do de seu mangá predecessor 2001 Nights e tendo como ponto de referência o clássico filme cult 2001 Uma Odisseia no Espaço baseado na obra de Arthur Clarke.


2001+5 publicado em 2006 de autoria de Yukinobu Hoshino é um manga "spinoff" da famosa e clássica saga espacial 2001 Nights, do mesmo autor, obra a qual já foi analisada no blog 2001 Nights. Uma outra odisseia no espaço.  

Yukinobu Hoshino é um dos grandes nomes da ficção científica no Japão, seu estilo se enquadra mais no subgênero "ficção científica hard" pautado pela tentativa de transmitir aos leitores uma precisão científica mais  próxima da realidade, mesmo abordando tecnologias no momento inexistentes como viagens no hiper-espaço e uso de antimatéria, mas que, contudo, são cientificamente respaldadas  pelas teorias científicas. Para conferirem mais sobre o autor e sua obra, a fim de se contextualizarem com a série principal 2001 Nights recomento ler meu post 2001 Nights. Uma outra odisseia no espaço, sendo que é só clicar no link do parágrafo anterior.




Agora vamos tratar do mangá propriamente dito, embora 2001+5 seja considerado um "spinoff" da série original da década de 80, apenas o seu primeiro capítulo está diretamente ligado ao famoso mangá. O mangá, em volume único, é composto por onze capítulos, alguns capítulos seguem a mesma história, outros são apenas one-shots. O tamanho dos capítulos também é variado, alguns possuem mais de quarenta páginas e outros apenas três. Como ocorreu na postagem de 2001 Nights tratarei um pouco de cada capítulo, ou de cada história caso possua mais de um capítulo, e claro, haverá um ou outro spoiler.



1. In the Ocean of the Night.




Na minha humilde opinião a história que abre o mangá e é o verdadeiro "Spinoff" de 2001 Nights é a melhor história deste mangá, embora, para um completo entendimento deste pequeno conto seja recomendável ler 2001 Nights, pois se trata do desfecho de um dos contos do referido mangá. Mas, posso garantir que se você ler apenas o capítulo In the Ocean of the Night terá o entendimento geral do contexto, suficiente para se emocionar e aproveitar esta pequena história, que faz referência até mesmo à Adão e Eva. Somente neste capítulo há mais spoiler no que nos próximos, já que há vários temas importantes a serem abordados, após os spoilers serão severamente reduzidos.

Em suma, esta pequena história encerra a história da interessantíssima sonda Kaarc 9000 que possuiu inteligência artificial suficiente para simular as emoções humanas. Para relembrar, esta sonda tinha a missão de ir até um sistema solar distante no início da exploração espacial, só que em pouco tempo Kaarc 9000 se tornou obsoleta e até mesmo antes de chegar ao seu destino já haviam sido criadas naves mais velozes e tal sistema fora até mesmo habitado e posteriormente abandonado! Pois os humanos, por não encontrarem vida no espaço, perderam o ânimo exploratório e começaram a regressar para a Terra.

Kaarc 9000 ainda era possuidor de todo conhecimento humano até a data do seu lançamento a fim de se comunicar com uma possível inteligência alienígena inteligente. Outra missão sua era quando chegasse ao destino ou se deparasse com a sonhada vida extraterrestre mandasse informações para a Terra, entretanto o destino estava conspirando contra Kaarc, pois ele foi acertado por meteoritos e se tornou inútil por ser incapaz de realizar sua função já que seu sistema de comunicações foi severamente danificado. Kaarc 9000 também lembra a famosa inteligência artificial que controlava a nave em 2001 Uma Odisseia no Espaço, o famoso Hal 9000.





O que torna a história triste, é que Kaarc reproduz todas as emoções humanas e foi enviado para uma missão sem volta e ficou completamente isolado, sozinho, sem ninguém para conversar! Principalmente sentia saudades da cientista que o construiu e que sempre conversava com ele. É uma história bastante triste. Isto me lembra o filme A.I. Inteligência Artificial, onde o androide fora construído para simular sentimentos humanos. Kaark, aproveitando sua solidão, corriqueiramente ficou pensando consigo mesmo, filosofando até! Sobre o sentido de beleza por exemplo.

E esse foi apenas o contexto de Kaarc 9000 apenas do capítulo que o Mangá 2001 Nights dedicou a ele. Mas o que 2001+5 trouxe de complemento para a saga de Kaark 2001? Digamos que finalmente ele encontrou uma companhia! Kaarc 9000 é uma inteligência artificial masculina para deixar claro. Ao seguir o seu caminho ele encontra uma nave de carga muito mais avançada que ele que estava em perigo de destruição solicitando ajuda, Kaarc 9000 solicitamente oferece ajuda e acaba por salvar a referida nave.







No momento Kaarc 9000 ficou confuso, pois se tratava de uma voz humana, que ele não escutava há 500 anos! Mas não era humana, a nave estava sendo controlada por uma inteligência artificial (feminina) chamada F-100 Beta. O objetivo de Beta era salvar dois humanos que haviam sobrevivido a um acidente na nave e que estavam em câmaras criogênicas. Então, após salvar Beta ambos partem juntos, embora seja uma viagem sem esperança, beta perdeu a capacidade de viajar no hiperespaço e provavelmente até chegar em qualquer lugar habitado os humanos já teriam morrido.

Aqui é abordada a clássica temática de robôs, sua total dedicação aos humanos e a questão, até bem humorada, de que por sempre se preocuparem pelos humanos, inclusive destruindo sua própria existência para salvar um único humano, poderiam os humanos possuir um amor tão incondicional quanto o amor que os robôs sentem pelos humanos?





Este tocante capítulo também encerra a principal questão abordada em 2001 Nights, a existência de vida alienígena inteligente, pois seres menos evoluídos já haviam sido encontrados. Então uma inteligência mais avançada dá as caras, uma espécie de nuvem gigantes senciente e muitíssimo avançada. Este conceito de vida alienígena imaterial altamente evoluída já havia sido trabalhada por Arthur Clarcke em sua Odisseia no Espaço. Então, este ser estava buscando a vida humana, pois havia achado um objeto que existe no mundo real fora do mangá! Uma sonda que foi enviada com algumas informações dos humanos para o espaço. Então acabaram por se deparar com Kaarc e Beta.

Ao verificarem que os humanos dentro de Beta já haviam morrido, a vida extraterrestre resolve "recriar" os humanos para conhecê-los melhor e fizeram algo fantástico, transferiram a inteligência artificial das naves para os corpos congelados! E colocaram eles para habitar um planeta semelhante a Terra! Clara referência ao mito de Adão e Eva. E levanta a possibilidade já estudada de que talvez os humanos sejam criação de uma vida extraterrestre mais evoluída. Assim, termina a saga de Kaark 9000.



2-5. Starship Adventure Star field - Arthurian World 1-3 e Red Star of Scorpio.




Esses 4 capítulos que formam uma sequência são difíceis de analisar, e para alguns de apreciar. Pois se trata de uma história que era pra ser longa, inciando sua publicação em 1986 na revista Super Action. Entretanto, em 1987 a publicação desta revista foi encerrada e consequentemente a história interrompida. O autor não prosseguiu a publicação em outra revista e até a agora não há continuação da história, estando ela está incompleta. Nem ao menos deu pra dar um final razoável, pois termina prematuramente no terceiro capítulo. Então, quem for ler essa história tenha a consciência de que acabará subitamente.




Embora haja este aspecto negativo, não é de todo mal sua inclusão nesta coletânea, pois serve a título de curiosidade do conjunto das obras de Hoshino, além de estes capítulos serem bastante legais e abordarem uma história bastante criativa, valendo sua leitura. Então, Starship Adventure aborda um futuro espacial na qual a Terra é chamada de Mundo Arthuriano, e os personagens fazem referência à lenda do Rei Arthur, como Pendragon, Galahad, Lancetot. Há também um computador chamado Merlin por Exemplo. Ao pesquisarem o cinturão de asteroides acabam descobrindo naves soterradas, uma nave branca que lembra uma espada e uma nave negra, circular que lembra um dragão.

Acontece que o cinturão de Asteroides foi um planeta que foi destruído há 10.000 anos mas que já possuía tecnologia muito avançada. Este planeta foi destruído pela nave negra, um sistema totalmente computadorizado que possuía a capacidade de lançar um raio de energia capaz de destruir um planeta ou forçar uma estrela a explodir e virar uma supernova. No combate entre as naves, a nave branca destruiu a nave negra, não antes dela infortunamente ter lançado o raio no planeta.




Neste contexto, deram à nave o nome de Excalibur, outra clara referência ao mundo do Rei Arthur, isto pelo motivo de que a nave lembra uma espada e seu principal ataque consistir em se chocar de frente com as naves inimigas, pois ela é muitíssimo resistente por ser feita de uma supercerâmica quase indestrutível. Então os personagens principais resolvem fazer a nave funcionar novamente para enfrentar a ameaça que pode aparecer a qualquer momento, sendo esta ameaça justamente a inteligência artificial que destruiu aquele planeta há milênios, pois um metido a esperto acaba ativando um sinal que os chamou novamente para o Sistema Solar.

Bom, a história é justamente essa, nem há mais o que falar, posso dizer que nestes capítulos ainda houve espaço para algumas batalhas entre as duas forças, sendo estas muito interessantes, mas é só isso, só nos resta aceitar e talvez, mais parece ser muito difícil, que o autor resolva dar continuidade a este mundo Arthuriano.



6 - Vessel of Wrath



Neste capítulo, traduzido como Vassalo da Ira, o foco é um pouco diferente de suas histórias, mas mesmo assim já houve um capítulo parecido em 2001 Nights. Em Vessel o Wrath podemos claramente ver a temática da Guerra Fria em ação, com suas consequências levadas ao extremo, claro, não aconteceu nada parecido como no mangá, mas foi uma possibilidade trabalhada pelo autor. Enquanto nos EUA seus habitantes se esbaldam em prazeres materiais e hedonistas, os habitantes na União Soviética estariam passando fome.

É uma conspiração rápida mas bem complexa, e movida exclusivamente por um desejo de vingança. Um cosmonauta russo põe em prática um plano arriscado para igualar as coisas entre a União Soviética e o resto do mundo, para fazer que todos passem e fome forjando e iniciando uma Guerra Nuclear em escala controlada. Este tipo de enredo é relativamente comum, mas serve para alertar a insanidade dos seres humanos numa hora como essa. Portanto, este é um capítulo muito importante que deve ser lido com atenção,  pois, mesmo hipotético, e mesmo em um contexto diverso, pode acontecer algo assim com o planeta Terra.






7 - Space Fantasy Parte 1 - The Golden Planet



Este é um capítulo da série de contos curtos Space Fantasy, mas estes capítulos não fazem referências entre si, a não ser no tamanho das histórias, que é bastante curto, por exemplo, The Golden Planet são apenas duas páginas duplas. Este capítulo é bastante interessante, funciona como uma crítica inteligente em forma de alusão à ganância de nosso planeta utilizando outro planeta! No caso, o planete Mort. Esse é um planeta curioso, suas cidades são ricas, seu povo é rico, tudo é do bom e do melhor, pois há uma quantidade monstruosa de ouro no planeta, o que propiciou o rápido e acelerado crescimento econômico.

Só que, mesmo com o desenvolvimento econômico, as taxas são altas, a poluição é alta, as casas são minúsculas e  os governos extremamente corruptos. Portanto, é uma crítica ao nosso próprio modo de vida, alertando que não é meramente a riqueza de uma nação que propicia uma boa qualidade de vida, não é o capitalismo e a necessidade de crescimento econômico sem fim que proporciona realmente a felicidade, é necessário progredir com responsabilidade, não apenas observar o lucro.






8 - Space Fantasy Parte 1I -  Dolmen



Este capítulo possui um título interessante, dolmen é um monumento pré-histórico, sendo um túmulo construído com um arranjo de pedras, muito presentes na Europa, semelhante a um "mini" Stonehenge. O título dá sentido para a histórias. Em Dolmen, assim como em  The Golden Planet, o autor passa a criticar o ser humano e seus principais erros ao longo da sua história no planeta Terra. Dolmen também possui apenas duas páginas, mas que são repletas de significado.

Em resumo, trata-se de um narrador desconhecido discutindo o destino de um planeta o qual resta totalmente destruído, ao estudar suas ruínas verificam-se uma quantidade de registros arqueológicos de eras, verificando a existência de incontáveis guerras e por fim autodestruição, o que faz o narrador dar o seu diagnóstico, seus habitantes eram idiotas, uma alerta para o próprio ser humano tomar jeito e não provocar sua própria destruição. O título de Dolmen faz sentido no ponto que o Planeta serve como uma amostra arqueológica antiga sobre o seu destino, e como só a morte, trata-se de um vasto monumento tumular.






9 - Space Fantasy Parte 1II -  Journey to the Edge



Sem dúvida este é o capítulo mais introspectivo, uma homenagem aos exploradores espaciais que se aventuram no espaço, onde quase tudo ainda é desconhecido, com suas galáxias, estrelas, buracos-negros e etc. Percorrendo o rastro deixado pelo Big-Bang no momento da criação do universo. Inclusive há uma menção aos antigos exploradores da época dos descobrimentos, os quais se aventuravam nos oceanos desconhecidos, cheios de perigos e aventuras, sem saberem o que iam encontrar. 

Entretanto, deve-se ressaltar que embora haja semelhança, o espaço é a última fronteira a ser ultrapassada, numa escala maior que a dos descobrimentos marítimos, que nem hoje ainda pode ser mensurada diante da amplitude dos cosmos. Inclusive a missão da nave é encontrar o Centro do Universo, o que ressalta que é realmente o centro de toda a criação, o que aumenta ainda mais a importância da missão, "estar onde ninguém jamais chegou", o prazer, hoje em dia raro", de descobri um lugar totalmente novo.





10 - Phobos and Deimos



Voltando a um capítulo com mais páginas, Phobos and Deimos é um conto com bastante criatividade, utilizando como base o nome das luas de Marte, respectivamente Phobos e Deimos. Esta história tem como tema centra o medo, inclusivo as luas de Marte são bem sugestivas para isso. Phobos e Deimos na mitologia grega, além de serem filhos de Ares (Marte) são respectivamente as deidades do medo e do pânico. Inclusive começa este capítulo com o pânico do protagonista acordar de uma lembrança assustadora do passado, um ataque terrorista. A maneira que o autor relacionou a temática do medo com a própria questão do corpo celeste que o representa, foi muito bem bolada.

Os personagens se encontram em direção a Phobos para uma missão, acontece que quem possui contato com algo que teve contato direito com o planeta começa a sofre de uma síndrome extrema de medo e de pânico, perdendo totalmente a sanidade, atacando qualquer um que passe na frente, mas que posteriormente causa a morte de quem foi infectado. Verifica-se então, a existência de uma bactéria que causa esta "Síndrome", Primeiramente pensam que a bactéria é originária de Phobos, ou mesmo Marte, mas estudos comprovaram que é originária da Terra! Então, o principal do enredo gira em torno desta descoberta que pode mudar o que se conhece da história da Terra, tudo isso consubstanciado com uma importante descoberta arqueológica. Essas descobertas tornam a história bastante interessante e agradável de se ler.






11 - Planet of Fog



Chegamos ao capítulo final deste mangá que é uma verdadeira viagem espacial. E para fechar com chave de ouro temos uma história interessantíssima sobre o Planeta da Névoa. Neste curioso conto uma nave que buscava auxiliar outra nave do mesmo grupo que caiu em um planeta acabou por se acidentar também no mesmo Planeta. Verifica-se que a nave vai demorar um pouco para ser reparada, enquanto isso a maior parte da tripulação vai em busca da tripulação da primeira nave que se acidentou anteriormente.

O planeta é repleto de vida, uma exuberância verde, árvores e plantas de todas as variedades, embora nenhum sinal de inteligência alienígena. Ao longo da busca os tripulantes se deparam com traços de uma cultura desenvolvida, mas não tão avançada, muros de tijolos de barro, contudo se encontra tudo abandonado, não há sinal de quem construiu aquilo. Mesmo aparentemente o ar do Planeta ser respirável, por precaução de contrair uma infecção, ninguém estava autorizado de abrir o capacete, o que foi uma boa decisão.




Por fim encontraram alguns do tripulantes da primeira nave, contudo eles haviam perdido a memória e agiam como animais, alguns vivendo como uma espécie de pequeno primata que existia no planeta. Curiosamente é descoberto que há uma neurotoxina na atmosfera, que faz a vítima perder suas memórias e regredir suas capacidades mentais. Ai que entra o mais maravilhoso deste conto! As plantas, ou o planeta em si, quando vê que uma espécie começa a ficar muito inteligente solta esta substância no ar para evitar o progresso e com isso, posteriormente evitar a degradação do planeta que uma civilização causa, como desmatamento, extração de minérios, poluição, etc.

Portanto, o próprio planeta criou um método de defesa contra sua própria destruição, evitando a existência de qualquer vida inteligente, que se mostra não muito inteligente na hora que precisa degradar os bens naturais. Percebe-se que o autor sempre gosta de pegar no pé dos humanos, retratando vários e velhos problemas dos terráqueos, neste caso a destruição do meio ambiente, mostrando o que aconteceria caso a natureza se desse conta que o ser humano foi a criatura mais perigosa e destrutiva que surgiu no Planeta Terra. Por isto, este é um dos melhores contos desta coletânea.





Conclusão



Chegamos ao final desta postagem, finalizando a análise do mangá. Como considerações finais vamos à análise do mangá como um todo, A arte, como já mencionado em 2001 Nights, foge do habitual, por prezar um realismo nos traços dos personagens, com mais afinidade com os desenhistas ocidentais. Bem como, sabe-se que este é um estilo mais antigo, diante da época que o autor começou a desenhar mangá. Como sempre, os detalhes dos objetos espaciais, as naves, os planetas, tudo é extremamente detalhado. bem como, não pode ser esquecida a fidelidade científica do autor, que embora crie histórias com tecnologia ainda inexistente, tudo é pautado em teorias existentes.

Por ser uma coletânea fica um tanto dificultada a análise como um todo, mas devo ressaltar que as obras escolhidas para compor este volume singular foram bem selecionadas dentro o grande acervo do autor, senti sempre presente no mangá, como já mencionei acima, uma contínua crítica ao ser humano e sua capacidade destrutiva.  O ponto mais controverso do mangá é mesmo a questão daquele mangá que fora interrompido no quarto capítulo, mas que na minha opinião não diminui em nada a qualidade da compilação, sendo um incremento interessante, visto a história ser divertida, embora seu término repentino e prematuro.

Por fim, 2001+5 é um acréscimo interessante à 2001 Nights, mas não é necessária sua leitura para compreender 2001 Nights, embora seja recomendada fortemente por mim, pois como 2001 Nights é dividida em capítulos com uma ligação tênue de eventos de fundo, mas não do enredo principal, sempre o que se lê a mais é um acréscimo, e neste caso, um ótimo acréscimo. Inclusive eu acabei lendo antes 2001+5 e depois tive conhecimento da existência de 2001 Nights e esse fato não prejudicou minha apreciação de ambos os mangás. Assim, fica a dica de este mangá o qual, como percebido é altamente recomendável para quem aprecia ficção científica mais realista, sem os abusos recorrentes do gênero. Até uma próxima.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...