sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Inio Asano e Daisuke Igarashi - O início na indústria do mangá.



Como nem só de análises de mangás e animes vive o Dissidência Pop, venho apresentar para vocês uma entrevista muito interessante que traduzi, com dois dos maiores nomes do mangá contemporâneo, Inio Asano e Daisuke Igarashi. Acho que é sempre relevante, além de ler as obras dos autores, entender como eles produzem seu trabalho, suas motivações, seus medos, a evolução de seus estilos e suas inspirações profissionais. Este tipo de conteúdo ajuda até mesmo a entendermos melhor seus mangás. Além disso, podemos nos surpreender com curiosidades que nem podíamos imaginar. Quem poderia dizer que Inio Asano prefere desenhar comédias do que mangás coming of age? Essas e outras curiosidades podem ser retiradas da seguinte entrevista. Espero que desfrutem.


A entrevista foi originalmente publicada na revista Manga Erotics F, que muito embora o nome, não se trata de uma publicação voltada para obras de cunho sexual! Em 2012, essa revista fez algumas entrevistas com artistas de mangá sobre seus primeiros trabalhos publicados, incluindo Inio Asano e Daisuke Igarashi. Essa revista voltada ao público seinen já publicou obras de grandes nomes do mangá, como Usamaru Furuya, Hiroaki Samura, Shintaro Kago, Jiro Matsumoto, Mohiro Kitoh e do próprio Inio Asano.

Quanto a Inio Asano e Daisuke Igarashi, eles são grandes mangakás da atualidade, celebrados pela qualidade de seus mangás. Inio Asano praticamente dispensa apresentações. Famoso por seus mangás de cunho fortemente psicológico sobre as questões da juventude, como Oyasumi Punpun, Solanin, Nijigahara Holograph, entre outros. Já possui alguns títulos publicados no Brasil, como Solanin pela L&pm, Nijigahara Holograph pela JBC e Hikari no Machi, recentemente lançado no Brasil com o título Cidade da Luz, pela Panini.

Já Daisuke Igarashi, embora bastante conhecido por outras bandas, é um tanto desconhecido pelos brasileiros, o que é imperdoável diante da qualidade de seus mangás. Essa situação pode estar mudando com o recente anúncio da publicação de seu mangá Majo/Witches pela Panini, sendo um bom impulso para divulgar esse outro grande artista. Espero ter ajudado um pouco na divulgação de seu trabalho, já que por alguns anos eu sempre apresentei uma ou outra obra dele aqui no blog, como Witches, Little Forest (parte um e parte dois), Kabocha no Bouken, Spirits Flying in the Sky e Umwelt (pretendo escrever mais obras em breve)

INIO ASANO

Como foi sua estréia? (Você mostrou seu mangá a um editor, você entrou em um concurso, etc.)

Quando eu tinha dezessete anos, eu desenhei umas vinte páginas de tiras curtas e trouxe-as à Spirits. O editor que eu estava vendo era o editor de Naoki Yamamoto, e aconteceu bem na hora em que a one-shot de Yamamoto “Fine Girl” veio a ser mais curto do que originalmente planejada, então eles colocaram meu mangá para preencher aquele espaço. Eu tive sorte, não tendo desenhado algo muito longo. (risos)

Inio Asano

Quando e como você desenhou seu trabalho de estréia?

Ah, a data que eu o levei à Spirits está escrita na borda: 3 horas da tarde em 16 de abril, 1998. Eu tinha apresentado mangás 4-koma à Famitsu e Dragon Quest 4-Koma Theater quando eu estava na escola primária e no colégio, mas essa foi a primeira vez em que eu apresentei algo para uma verdadeira revista de mangá. Eu não tinha intenção de me tornar profissional naquele tempo. Durante a aula eu costumava desenhar tiras de 4-koma que eram surpreendentemente populares com meus amigos, e eu basicamente queria ver como elas se sairiam no mundo profissional. Elas eram extremamente surreais, então eu não achava que as pessoas se interessariam. Eu não estava segurando minha respiração.

Tendo revisto seu trabalho de estréia, o que você acha dele?

Quando eu perguntei ao meu editor sobre isso mais tarde, ele admitiu ter sentido algum tipo de potencial de “diamante bruto” nele, mas talvez ele estivesse apenas bêbado quando disse isso, porque eu não posso dizer que eu sinto muito potencial olhando para ele (o trabalho) agora. (Risos) Mas, na verdade, relê-lo não é tão doloroso assim, precisamente porque é um mangá de piadas surreal que não se parece em nada com meu estilo atual. Verdade, a arte é terrível, e eu não tinha uma única ideia do que eu estava fazendo, mas porque eu teria? Eu nem mesmo sabia como esboçar um mangá naquela época. Eu não esperaria muito mais do que isso.

O que você considera ser seu(s) ponto(s) forte(s) como um artista de mangá?

O que eu considero como uma verdadeira habilidade minha é design de livros. Eu deixei um designer sugerir algumas opções para eu escolher para What a Wonderful World e Nijigahara Holograph, mas todos os meus outros livros basicamente foram feitos de acordo com o jeito que eu peço. Eu não tenho muita confiança no conteúdo do meu mangá, então eu penso como fazer as pessoas quererem meus livros como objetos. Em comparação com quando eu estava começando, eu acho que fiquei bom nisso. Com a arte no meu mangá, nunca tive um olhar ideal para me esforçar, então eu não sinto realmente que estou me aproximando de alcançar o meu ideal ou qualquer coisa — eu sou atraído por muitos estilos diferentes, então eu sou meio inefetivo quanto a isso. A última vez que fui influenciado pela arte de alguém foi com Takehiko Inoue, quando li Vagabond e pensei: "Uau, esse cara é tão bom, isso é o que eu quero ser!" (risos)

Página de “That’s a Bit Much, Kikuchi!!”, de 1998, a primeira estória de Inio Asano publicada. Dá pra ver claramente como seu estilo mudou e amadureceu com o tempo.

Então a maneira que eu desenho os rostos dos meus personagens mudaram totalmente a meio caminho de What a Wonderful World. Eu acho que minha arte é uma mistura de diferentes estilos artísticos que admirei ao longo do tempo. Houve um tempo em que eu estava fascinado por Haruchin de Kiriko Nananan, e os olhos de meus personagens se tornaram pontos por algum tempo por causa de sua influência – o primeiro capítulo de What a Wonderful World era assim quando foi publicado na revista, mas não parecia certo, então eu voltei e redesenhei todos os olhos para o volume completo. Eu também passei por uma fase em que eu estava usando uma caneta pincel em uma tentativa de dominar esse estilo original que o traço de Taiyo Matsumoto tem, então, além dos olhos de ponto, eu acho que o primeiro capítulo de Wonderful World também foi desenhado com uma caneta pincel fina. Talvez meu ponto forte seja minha vontade de experimentar assim. (risos)

O que você considera ser seu(s) ponto(s) fraco(s) como um artista de mangá?

Meu ponto fraco é que eu não consigo desenhar cenas que se movem, como se alguém estivesse correndo ou algo assim. Não sei como desenhar linhas de concentração, e ainda não descobri como desenhar algo que parece rápido sem usar linhas de movimento ou efeitos sonoros. Eu tenho muitas cenas onde meus personagens deviam estar correndo, mas porque não estou acostumado a desenhar essas coisas, acabo por não fazê-los correr. (Risos) No capítulo que acabei de terminar de Girl by the Sea, Misaki originalmente tinha que pegar uma arma de choque enquanto corria por aí, mas depois de tentar várias vezes e falhando, desisti.

Quando e com qual das suas obras você se sentiu como se tivesse feito um mangá que é realmente seu?

Depois que fiz a minha estréia, senti que estava presumido que eu seria o novo garoto no bloco dos mangás de piada, mas não pensei que poderia fazer esse tipo de mangá, então eu tentei fazer coisas em vários gêneros diferentes, como o horror. Apenas rascunhos. Não é que eu estivesse tentando encontrar um estilo que me convencesse e depois persegui-lo - era mais sobre tentar todos os tipos de coisas e apenas ver o que eu poderia fazer para que meu editor dissesse OK. Durante um tempo mais longo, eu continuava recebendo minhas coisas recusadas e não conseguindo resolver nada. Eu ainda tendia a fazer coisas surrealistas. Eu estava lendo o Palepoli de Usamaru Furuya quando fiz "Kikuchi", e por isso tentei fazer uma pequena incubação para o último quadro.

Oyasumi Punpun, com seu protagonista nada usual, é uma das obras mais famosas de Inio Asano.

Eu estava lendo muitos mangás diferentes na época, mas eu não conhecia muita coisa indie. Com "Kikuchi", recebi 40.000 ienes para as quatro páginas, metade dos quais gastei em uma câmera para tirar fotos para usar como referência, e a outra metade foi gasta em mangá. Havia esta livraria no meio de Shibuya 109, e eu simplesmente fui à cidade comprando coisas como Blue Car de Yoshitomo Yoshimoto e Naito Yamada. Ainda posso lembrar vividamente que a bolsa de papel realmente se abriu em Ueno no caminho de volta por causa do peso total de tudo. (Risos)

De certa forma, não acho que tenha mudado tanto desde o primeiro capítulo de What a Wonderful World - basicamente continuei no mesmo caminho, tentando tudo o que posso pensar. Não é que seja o que mais me fez ter sorte tanto quanto é o que meu editor estava disposto a publicar, e então fiquei com isso.

Mais tarde, quando fiz Solanin, senti um tipo de acabamento com esse estilo, como se eu tivesse alcançado uma espécie de final, então comecei a me deixar um pouco mais experimental desde então. Meu ponto de partida era o mangá de piadas, e especialmente sinto com Good Night Punpun que eu voltei a essas raízes. Coisas como fazer histórias e tramas, ou saber como puxar as cordas do coração do leitor são apenas técnicas que adquiri mais tarde. Fazer histórias de coming-of-age é algo que eu faço como um negócio, tão ruim quanto isso parece soar. (Risos) Piadas são o que eu realmente me divirto fazendo, e o que estou tentando fazer é encontrar o equilíbrio certo entre os dois.

Quando eu estava fazendo o meu mangá coming-of-age, acreditei que era o tipo certo de mangá que eu estava fazendo na época, e minha própria personalidade realmente era como os personagens daqueles mangás, e é por isso que eu acho que não estava realmente fazendo piadas. Eu era um cara muito sincero nos meus vinte anos.

Como você aprimorou seu estilo?

Eu comecei a trabalhar na minha arte com um computador em torno do início de Wonderful World, e eu me senti culpado por isso, como se fosse uma trapaça. Então eu decidi que eu faria coisas extras como colocar muita luz e sombras, quase como compensação. Eu não tinha uma idéia fixa do que eu queria que meu mangá parecesse. Era mais um tipo de processo de eliminação. Além disso, se você pesquisou "Inio Asano" no Google quando meu primeiro volume saiu, você só obteria seis resultados, e um deles me descreveu como "tão horrível nos antecedentes", o que eu realmente odiava, então comecei a tentar tipos de métodos diferentes. Há uma parte em Dennou Manga Giken [uma coleção de entrevistas de artistas de mangás sobre como eles usam computadores em seus trabalhos], onde diz que Usamaru Furuya imprimiu fotografias em azul claro e as rastreou, então eu tentei fazer exatamente isso mesmo, por exemplo.

Nijigahara Holograph, mangá de Inio Asano publicado no Brasil em 2016.

Depois de um tempo, as pessoas começaram a descrever meu trabalho como "lírico", que é algo que realmente não pegou em mim. Novamente, foi apenas o processo de eliminação: depois de atravessar todas as coisas que eu não queria fazer - nada demasiadamente exagerado, etc. - no final acabei fazendo o mangá que fiz. Claro, parte disso foi também o fato de que eu gostava de mangás que tem ambiente, como o trabalho de Naito Yamada.

A ideia era obter um volume publicado enquanto eu ainda era estudante, como um reforço de confiança. No final, eu não consegui lidar com isso a tempo antes da formatura, mas, de qualquer forma, realmente me faltava confiança. Eu dediquei tanto tempo ao manga e abandonei tantas coisas para isso. Era tudo o que eu tinha deixado. Sem isso, tudo o que restaria seria uma casca vazia de um homem, incapaz de funcionar na sociedade. (Risos)

Agora, no que você está se dedicando ao desenhar mangá?

Estou me aproximando do final de algumas séries diferentes agora, então há menos o que eu preciso levar comigo mentalmente no meu cérebro, e isso me facilita as coisas.

Ultimamente, sinto que preciso pensar mais sobre o treinamento de meus assistentes. Assistentes vão e vêm, então eu preciso que eles se adaptem ao meu estilo de arte quando eles estão me ajudando. Não tem sentido ter assistentes se eu tiver que voltar e corrigir seu trabalho. Eu não tenho muita experiência como assistente, por isso não sou muito bom em dar instruções às pessoas. Ensinar as pessoas a fazerem coisas realmente é um trabalho árduo.

Que sonho você tem em relação ao mangá?

Eu quero fazer mangás impermeáveis às críticas - algo que todos louvam, independentemente do seu gosto particular. Não é um sonho que possa se tornar realidade é claro, mas é o que eu quero honestamente agora. Eu já passei por todos os meus objetivos e sonhos alcançáveis, então agora tudo o que resta é coisa que nem sequer considero possível - como, não me importaria em fazer três milhões de cópias feitas para uma primeira impressão, por exemplo. (Risos).

DAISUKE IGARASHI

Como foi sua estréia? (Você mostrou seu mangá a um editor, você entrou em um concurso, etc.)

Fiz a minha estréia ganhando o Grande Prêmio Sazonal da revista Afternoon com duas obras: "Still Winter" e "The Day the Festival Music Played", que passou a se tornar o primeiro capítulo em Hanashippanashi.

Eu tinha enviado as mesmas obras para um concurso em uma revista shoujo, mas eles enviaram-nas de volta junto com uma carta ao longo das linhas dizendo "Algo com este tipo de arte e cenário pode fazer melhor em uma revista de seinen", então eu tomei seu conselho e enviei isso para a Afternoon. Estou realmente agradecido com o envio dessa carta.

Daisuke Igarashi

Até então, eu só tinha essa vaga ideia de que queria fazer algum tipo de trabalho que envolvesse o desenho, então não estava exatamente morrendo para me tornar um artista de mangá. Eu não estava fazendo nada no ano em que me formei na universidade, então também estava parcialmente indo atrás do dinheiro do prêmio. (Risos) Achei que seria capaz de obter um prêmio de segundo lugar ou algo assim. Eu ainda estava apenas começando, então eu acho que realmente não esperava muito disso.

Quando e como você desenhou seu trabalho de estréia?

"The Day the Festival Music Played" passou a se tornar o primeiro capítulo da minha primeira série Hanashippanashi, e desenhei isso no ano seguinte à graduação da universidade, que também foi quando ganhei o prêmio.

Costumava desenhar coisas no meu caderno no ensino médio - pequenos episódios, como, digamos, alguém que anda e vê algo estranho - alguns dos quais chegaram a Hanashippanashi. Quando eu fui de uma escola de arte para a universidade, eu queria colocar esse tipo de coisa na minha arte, mas é muito difícil de fazer em apenas uma imagem - o que me fez pensar que talvez eu pudesse fazê-lo em uma série de fotos, que Eu percebi que era basicamente mangá. Ainda não estava desenhando mangá.

Qual você acha que é a diferença entre o seu trabalho de estréia e seu trabalho antes disso? (Por que você acha que esse foi o trabalho que você conseguiu fazer sua estréia?)

Eu realmente não tinha feito mangá antes desse ponto, então eu realmente não posso falar sobre a diferença entre o meu trabalho até então e agora, mas poderia ter havido uma mudança no meu pensamento: até então, eu pensava em mangá como fantasia - algo onde você alcança um mundo alternativo - enquanto o que eu queria desenhar eram cenas com as quais eu estava familiarizado. Eu acho que era talvez naquela época que fiz a conexão entre mangás e as coisas que eu queria desenhar.

Tendo revisto seu trabalho de estréia, o que você acha dele?

Quando deu certo pela primeira vez na revista, lembro-me realmente de sentir como se eu pudesse ter tomado mais tempo e desenhado melhor. Estava com vergonha disso. Eu pensei que eu realmente me ferrei começando com algo assim. Eu meio que eu ainda me sinto dessa maneira agora, mas eu também sinto que eu também fiz um bom trabalho em alguns aspectos.

“The Day the Festival Music Played” (1993), o primeiro trabalho de Daisuke Igarashi publicado.

Depois de lê-lo, o que eu acho que fiz bem é que você pode ver que eu pensava claramente em ter certeza de que não havia painéis desnecessários. Como em "The Day the Festival Music Played", você pode dizer imediatamente do primeiro painel, apenas olhando para a imagem em que tipo de configuração estamos, e você pode dizer aproximadamente a que horas do dia é pelo o modo como o a luz está chegando. Eu fiz isso para que você possa dizer o que está acontecendo enquanto uso o menor diálogo possível. Eu também encontrei um título para ajudar com isso, para que você possa realmente entender a situação inteiramente desde o primeiro quadro. Na verdade, eu tinha outras cenas que eu queria desenhar, mas eu queria manter isso curto, então eu reduzi o melhor possível e mantive o diálogo ao mínimo, tudo na tentativa de apresentar o mangá dentro dos poucos quadros possíveis.

Enquanto eu acho que eu poderia ter feito a arte melhor, eu também me encontro pensando que provavelmente não sou capaz de pensar mais no meu mangá, como eu fiz com isso. Eu trouxe a ideia original para ele anos antes de finalmente enviá-lo, e eu passei meses trabalhando em como encaixá-lo em dezesseis páginas, então eu acho que foi uma boa experiência, sendo a primeira vez que eu realmente pensei muito sobre mangá. Aprendi a pensar sobre coisas ao montar um mangá.

O que você considera ser seu(s) ponto(s) forte(s) como um artista de mangá?

Do jeito que eu tento criar oportunidades para mostrar um pouco da minha arte, eu acho. Tento não só criar clímax na história, mas também arte. Eu quero me comunicar através das imagens. Em "The Day the Festival Music Played", a história foi sobre um garoto que consegue chegar em sua casa com segurança no final, mas também há outra coisa que eu fiz nas bases das primeiras três páginas, e a recompensa vem em uma imagem na última página. Infelizmente, quando perguntei ao meu editor sobre isso depois, descobri que ele nem o havia notado. (Risos) Espero que as pessoas encontrem coisas novas em todas as vezes que leem meu mangá.

Penso eu que outra razão pela qual eu desenho manga é porque eu quero desenhar cenários bonitos. Um dos meus pontos fortes é o quão eu tento fazer o leitor sentir a atmosfera.

Capas do mangá Witches, de Daisuke Igarashi que será publicado no Brasil, em breve, pela Panini

O que você considera ser seu(s) ponto(s) fraco(s) como um artista de mangá?

Os mesmos pontos são também os meus pontos fracos: não sou cuidadoso na história e nos personagens, o que torna meu manga desequilibrado.

No começo, vou pensar em uma história simples, como um menino que se apaixona por uma garota ou algo assim, mas quando eu vou desenhá-la, isso não acontece. Eu planejarei algum tipo de enredo desenvolvido e colocarei o prenúncio para isso, mas depois esqueço de desenhá-lo...

Quando e com qual das suas obras você sentiu como se tivesse feito um mangá que é realmente seu?

Eu acho que deveria ser meu mangá de estréia. Não vejo o mangá que eu fiz como tendo mudado tanto desde então. Era por volta do tempo que eu tinha terminado Hanashippanashi que eu comecei a realmente pensar em transmitir coisas aos meus leitores. Depois disso, eu estava desenhando uma pequena obra a cada ano, e esse era o único trabalho que estava fazendo - o motivo de meu trabalho não ter parado de ser aprovado pelos editores - mas eu tinha parado de desenhar e estava apenas brincando. Eu estava fugindo. (Risos)

Depois disso eu fiz Witches, e acho que meio que fui um pouco desagradável primeiro; Senti como se estivesse me impedindo até então, eu estava com pressa para jogar fora todas aquelas correntes.

O que eu queria fazer era algo como um monte de poemas curtos, mas então, a poesia vem em diferentes tipos - há poesia lírica, poesia narrativa - então eu decidi tentar me afastar e fazer coisas diferentes. Parte disso foi também que eu decidi que não me importaria se eu acabasse me envergonhando também. Antes eu tinha essa sensação de dever sobre o trabalho, onde eu estava convencido de que se eu vou me expressar para as pessoas reais, então não posso colocar nada além do perfeito. Depois de tentar fazer coisas com as quais eu não era bom, eu percebi que talvez fosse bom se eu estivesse lançando um trabalho defeituoso, desde que continuasse mostrando para as pessoas o que eu queria dizer. Então, eu simplesmente deixei de me preocupar, e comecei a desenhar o que me veio. Little Forest começou em torno desta mesma hora...

Designs, a obra mais recente de Daisuke Igarashi, ainda está em publicação na Afternoon.

Tendo iniciado o meu começo como profissional imediatamente depois de começar a desenhar mangá realmente me deu uma visão estreita das coisas. Eu só estava me encontrando com pessoas que faziam parte da indústria de mangás. Ao brincar e conhecer um monte de pessoas diferentes comecei a me sentir mais confortável sobre as coisas.

Como você aprimorou seu estilo?

Eu acho que desenhar manga praticamente se resume a apresentar o mundo como você vê, então acho que aprimorei meu mangá tentando observar coisas.

Agora, no que você está se dedicando ao desenhar mangá?

Eu sinto que meu mangá se torna difícil de ler se eu colocar muitas coisas ou expuser muita informação por quadro, então eu estou tentando encontrar o equilíbrio certo no momento. O plano é brincar e experimentar um pouco para encontrar esse montante justo.

Que sonho você tem em relação ao mangá?

Eu quero fazer o que eu tenho na minha frente, uma coisa de cada vez: termino trabalhando no último volume que lancei e começo no meu próximo trabalho. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...