segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Komorebi no Kuni. 1ª edição das análises aleatórias, aproveitem.


Olá a todos, estou começando uma novidade aqui no blog, que consiste em ler um mangá aleatório e expor minhas opiniões, e é aleatório mesmo! Pois vou em algum leitor online e clico na opção "surprise", de vez em quando farei isto aqui e criei algumas regras para mim mesmo, por exemplo: somente mangás finalizados e com uma quantidade não absurda de capítulos, para ter uma certa rotatividade né, bem como aceitarei o que o destino me impor, então provavelmente sairei de minha zona de conforto com leituras as quais nunca pensaria em me dedicar. Bem é isso, qualquer dúvida ou sugestão não hesitem em comentar.

Bem, o que falar disto aqui, primeiramente vamos às apresentações do primeiro mangá sorteado, Komorebi no Kuni foi publicado mensalmente pela revista Comic Gum de fevereiro de 2009 à junho de 2012, obra de Shoutarou Tokunou. Fugindo um pouco a regra, ele foi feito totalmente colorido, com poucas páginas por capítulo, em média de 9. Feitas as apresentações vamos ao que interessa, Komorebi no Kuni é um slice-of-life que nos conta o dia a dia de Lulu e suas amigas durante uma fictícia era industrial tardia.

O enredo basicamente gira em torno de lulu, uma garota carismática e meio tolinha e suas amigas, Colet que é tímida e por fim Rem, também tímida (olha a criatividade para criar personalidades) porém ela mantém um ar de mistério, só o ar pois mistério não teve nenhum. 

Realmente é para ficar chocada com o
preço do tomate.


Este trio vai ser facilmente esquecido por mim, não cheguei a odiar elas, mas muito menos gostar, dada a superficialidade de suas personalidades. Foi um slice-of-life enfadonho, Colet protagonizou uma tentativa de par romântico com um cavaleiro (há uma escola de cavaleiros medievais em plena era industrial) que não teve nenhum desenvolvimento significativo. Lulu nem isso, no máximo esboçou um desejo de virar uma atriz. Rem, bem, ela apenas no início mostrou algo a mais com aquela típica tentativa de se introduzir no ambiente escolar, haja vista estar afastada da escola por algum motivo, depois disso apenas seguia as outras duas. Fora isso outra personagem com alguma relevância foi uma garota que estava na escola de cavaleiros e sofria certo preconceito, mas essa temática foi muito superficial também. Portanto, Komorebi no Kuni não conseguiu me impressionar.

Bem, esse trio do barulho passa o mangá vivendo altas confusões que até Deus duvida, e no desfecho, bem, foi aquela tentativa de passar a ideia de que a vida cotidiana delas continua, o que poderia ter sido melhor se ao mesmo o autor tivesse dado uma conclusão para as tentativas de romance por exemplo.

Juro que no começo quando vi duas das protagonistas entrando em uma loja misteriosa para consertar um relógio antigo pensei que poderia ter algum tom de mistério na obra, mas foi só impressão minha mesma. Não que eu ache que um slice-of-life necessite ter algum mistério ou aventura mirabolante ou qualquer coisa do tipo para ser bom, mas no mínimo um desenvolvimento dos personagens e do enredo de uma forma que o leitor possa manter o interesse na obra, o que não ocorreu neste caso.

Quanto à arte ai é outra história, muito embora seja um character design genérico, percebe-se o cuidado do autor em fazer um trabalho de qualidade, e por ser inteiramente colorido demandou um capricho maior que ficou ressaltado na riqueza dos mínimos detalhes os quais beiraram a perfeição, neste quesito está de parabéns o autor.




 
 

 Ahh, devo ressaltar que Komorebi no Kumi pode ser um deleite para os salientes de plantão, tem um fanservice "aristocrático".


 

 

Bem, Komorebi no Kumi, definitivamente, não é algo que eu recomendaria, mas se você quiser ler vá em frente, quanto à arte não terá decepção. Espero na próxima tentativa eu tenha mais sorte, só o futuro dirá, até mais.


                    Mas que igreja!                   Gostei das armaduras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...