terça-feira, 2 de setembro de 2014

Prologue: Gymnopédies Uma experiência musical (e visual).



Para hoje pretendo apresentar para vocês um mangá, que não é bem um mangá somente, é uma obra a qual mistura a arte visual com música, qual seja, Prologue: Gymnopédies.



Antes de adentrar na obra em si, previamente devo tecer algumas ponderações acerca do projeto Mieru Record + Otowa, que é algo muito criativo e interessante. Resumidamente, trata de um projeto que transforma tirinhas de mangá em música, explicando melhor, as tirinhas de mangá, as quais contam uma estória claro, são perfuradas e utilizadas em uma caixinha de música, onde a caixinha de música lê os furos e traduz como notação musical, produzindo, consequentemente, música, sendo o mesmo modo de funcionamento de qualquer caixinha de música. Vocês podem ter uma ideia do projeto no vídeo abaixo:






Desta forma, Prologue: Gymnopédies é uma criação do projeto Mieru Record + Otowa, lançado em 2012, o qual apresenta one-shots curtas de artistas variados, artistas estes um tanto desconhecidos, com pouco detalhes sobre, sendo estes: Miyazaki Natsujikei, com uma obra praticamente desconhecida Boku wa Mondai Arimasen; Murai, que trabalha com publicações de mangá online, especificadamente na revista online Dennou Mavo, possui ainda algumas compilações de trabalhos curtos pela revista Ikki; Yosomachi, que possui menos detalhes ainda, sabe-se que desenha ocasionalmente mangás curtos; Yuta Kayashima, o produtor e idealizador deste projeto, bem como um mangaká que trabalha com projetos online; Mikami Yuuri, designer e diretora de arte a qual trabalha com ilustrações para livros e revistas; Sekine Myuu, outro mangaká pouco conhecido. O que estes autores têm em comum é que suas histórias fogem do lugar comum, é algo particularmente autoral, sem as amarras conhecidas da indústria dos mangás, percebe-se que a criatividade neste projeto imperou, onde seus autores puderam se expressarem de maneira plena.




Mas não somente o material impresso é digno de nota, a música que serve de pano de fundo para o projeto é igualmente importante e relevante para uma apreciação completa da obra, infelizmente eu não tenho posse do material físico em mãos, contudo, a obra musical é relativamente conhecida e facilmente achável, eu pelo menos já havia escutado em oportunidades distintas e gosto muito, portanto eu li as obras ao som da peça musical, a qual, justamente é o nome do projeto, Gymnopédies. Segue as composições:








Gymnopédies, ou melhor dizendo, as Gymnopédies, são três composições para piano escritas pelo compositor francês Erik Satie a partir de 1888 em Paris, suaves, curtas e atmosféricas, sendo chamadas de as precursoras da música ambiental. Erik Satie foi um compositor de vanguarda, sendo o precursor de movimento como o minimalismo devido a sua obra marcada pela simplicidade de formas e ausência de arranjos elaborados. Satie acreditava que seu estilo de música destinava-se a complementar o ambiente, sem se impor, sendo considerada uma "mobília". Satie Exerceu grande influência sobre outros compositores franceses da época, como Debussy e Ravel. Satie foi ainda o criador do ragtime, que pode ser chamado de um "pré-jazz".




As Gymnopédies, como sendo precursoras da música ambiente moderna, são deliberadamente calmas, contudo sem deixarem de serem excêntricas, um detalhe é que quando compostas elas desafiaram a tradição clássica, pois as melodias criadas por Satie usaram dissonâncias amenas em contrariedade com as regras de harmonia estabelecidas até então, criando um efeito melancólico, o que é acentuada pelo modo de executar as peças, que deve ser lento e até mesmo de maneira triste.

Gymnopédies, até hoje não se sabe ao certo a origem deste nome, contudo, ao longo do tempo foram tecidas diversas teorias acerca da origem desta nomenclatura, a qual não foi criada por Satie, mas pelo poeta Contamine de Latour, em sua poesia "Les Antiques" ("O Antigo):





Oblique et coupant l'ombre un torrent éclatant
Ruisselait en flots d'or sur la dalle polie
Où les atomes d'ambre au feu se miroitant
Mêlaient leur sarabande à la gymnopédie


Dentre as várias teorias as mais conhecidas são de que o termo se trata de uma dança, visto que há outra dança mencionada no poema, a sarabanda. Ou, Gymnopédie seria um festival em honra de Apolo, onde por consequência de dançaria tal dança, a qual ninguém sabe como é. Ou poderia significa nudez, visto que no grego antigo "gymnastique", que significa ginástica, além da conotação moderna referente à exercícios físicos, na Grécia antiga também significava nudez, pois os jovens da época treinavam suas habilidades físicas geralmente nus. Outra teoria seria de que Gymnopédies não possuísse um significado conhecido, mas Satie e o poeta Contamine teriam utilizado este termo por ter uma certa conotação "mística".

Quanto as pequenas histórias encontradas neste projeto, devo fazer alguns breves comentários, notadamente elas fogem do comum tanto nos traços como na estória e narrativa, temas psicológicos são presenciados nestas pequenas historietas. Bem como, o aspecto reflexivo é notável, visto que deixam ao leitor e ouvinte analisar e interpretar as pequenas obras, já que transmitem mais subtextos do que o esperado para uma obra comum, se bem que esta é uma característica habitual se tratando de one-shots alternativas. As obras beiram um pouco o absurdo em certas ocasiões, com uma explosão psicodélica, ou se resumem a breves discussões entre os personagens, nada brusco ou agitado, a fim de combinar com o tema musical, que é limpo, relaxante e com uma evolução lenta e metódica.


São pequenas histórias completamente sem ligações uma com a outra, a não ser pelo ritmo que é imposto nelas pelo tema musical proposto. Destacando alguns pontos, é possível afirmar que ler e ouvir a música proposta pela iniciativa é uma experiência interessante. Por exemplo, quando um jovem encontra uma arma que um mafioso deixa cair e reflete acerca de usá-la ou não contra seu desafeto, ou numa viagem onírica de uma criança e seu amigo (um rato antropomórfico) em busca do gato perdido, ou mesmo no dilema de uma mulher que sofre de insônia e encontra reconforto diante da generosidade infantil de sua sobrinha em "For a Quiet Night's Sleep", que por sinal teve o traço de que mais gostei.

Até mesmo a natureza do Deja Vu é estudada em uma das estórias. Ou, adentrando profundamente no simbolismo, uma viagem no mundo de sonhos de uma mulher imersa em um mundo aquático em "Gentle Water", onde as nuances musicais simples da composição casam com o simbolismo de bolhas de água.




Embora eu não possua acesso ao original (quem sabe um dia), esta iniciativa deve ser merecedora de nossos louvores, diante de sua criatividade e ousadia. Portanto, fica a dica, caso alguém queira perder poucos minutos de seu tempo lendo tais histórias, e, recomendo sinceramente, ouça as peças musicais indicadas na postagem, de fato, aposto, que com o apelo musical vossas mentes trabalharão no sentido de buscar uma harmonia visual entre o aspecto gráfico e o musical. Até uma próxima e breve (assim espero) ocasião.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...